Homestay : Nesse post conto como foi viver em homestay.

    Quando desembarquei em Auckland liguei para a minha futura Homestay. Fui atendida pela dona da casa e fiquei muito satisfeita em conseguir conversar sem problemas. Eu tinha ouvido muita gente falar da dificuldade que era entender o inglês dos Kiwis, como são chamados os neozelandeses, por causa do sotaque britânico. Peguei um táxi e bastante trânsito, o que fez a corrida ser uma facada. Acho que sou a única pessoa no mundo que pegou trânsito naquele lugar. O taxista era Maori, povo nativo da Nova Zelândia, e super educado. 

Chegando na homestay fui recepcionada com toda educação do mundo por Tereza, a dona da casa. Ela tinha um cão, Toffy, o Golden Retriever mais lindo e travesso do universo. A casa era incrível, limpa, organizada e com vista para a Sky Tower.
Ela me mostrou a casa, disse que eu podia ficar a vontade e pegar o que quisesse na geladeira. Tereza me mostrou o caminho até o curso de inglês. Fomos a pé por um caminho bem agradável. Lá, Tereza me apresentou para alguns funcionários, mas logo fomos embora.



Depois saí sozinha para explorar o bairro e comprar algumas coisas. Fiquei absolutamente apaixonada por Parnell. O bairro é muito bonito e bem estruturado. Com ruas limpas, parques, bibliotecas, shoppings, cafés e museus. Você podia facilmente chegar a tudo isso andando ou de bike.


Quando voltei pra casa tinha um bilhete na minha cômoda. Nele, Tereza me dava as boas vindas e listava algumas regras que deveriam ser seguidas:

  • ·         Banho só poderia ser tomado até às 21h
  • ·         Após as 22h a casa deveria ficar em silêncio.
  • ·         Caso não fosse jantar em casa eu deveria mandar um sms avisando.
  • ·         Eu deveria usar a tv do quarto.

E outras tantas regras que eu não lembro. Depois disso tomei banho e fui dormir. Fiquei surpresa com o silêncio que era aquele bairro. Quando passou a euforia da chegada apaguei rapidinho. Só acordei hoooooras depois, morta de fome.
Fiquei apenas um mês na Homestay. Eu queria mais liberdade, não me sentia totalmente à vontade na casa. Essa história de lei do silêncio, hora limite pra banho e não ter liberdade de assistir a tv da sala me deixou meio travada. Sempre fui tratada com muita educação, mas sabe como é, né? Eles são muito discretos.
Aconselho a todos que fiquem em homestay no primeiro mês. Especialmente se você for muito jovem. É bom ter alguém para te orientar no início, te deixa mais seguro. Após o primeiro mês de experiência você pode procurar outro lugar para ficar, caso não se adapte.  
Quando venceu o período da Homestay aluguei um quarto em um lugar que era uma espécie de residência estudantil. Mas só vou falar sobre isso em outro post.




Gostou do post e não quer perder os próximos? Siga nossa página no Facebook.
Obrigada pela visita e até o próximo post.
Beijos!

4 comentários:

  1. Esse lugar parece incrivel, já fiz um trabalho na escola sobre, ai durante as pesquisar vi que era bem interresante, mas agora com seu post, me deu vontade de conhece-lo, as pessoas parecem serem educadas, e eu amo lugares em silencio, só pra pra poder ir pra NZ terei que melhorar meu inglês basico =c
    adorei o post =)

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Obrigada pelo comentário Henrique.
      Vá mesmo! É um país incrível, onde os nativos te recebem super bem. Mete a cara no inglês e vai fundo. Você não vai se arrepender.

      Excluir
  2. Amei as fotos do lugar! Sempre que viajo fico em residência estudantil mas já fiquei uma semana em casa de família ( que no caso era uma senhorinha hehe) , a experiência é boa mas não tem todo a liberdade de estar com estudantes :p

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Cássia, nada se compara a experiência de morar com outros estudantes, né? Eu acho legal ficar em homestay no início, mas depois de um tempo cansa. Especialmente se você já passou dos 20 e poucos anos.

      Excluir