Marrocos em fotos : A gruta de Hércules e a cidade azul

Chefchaouen, cidade azul

Essa viagem foi diferente em todos os sentidos. Geralmente, eu viajo sozinha e sou a responsável por pesquisar, fechar acomodação, roteiro, alimentação, atrações etc. Dessa vez foi diferente e já adianto que foi muito bom. O Marrocos é tão diferente que me inspirou a criar uma nova modalidade de post, uma postagem com destaque para as fotos.

  Eu tive a sorte de ter um guia me acompanhando durante toda a viagem. Ele dirigia, traduzia e ajudava com tudo que fosse necessário. Por um lado foi ruim porque eu me senti muito dependente, o lado bom é a comodidade e segurança de ter alguém que sabe o que está fazendo.  Eu apenas curti sem me preocupar com absolutamente nada. Não me entenda mau, não pretendo fazer todas as minhas viagens nesse estilo. Mas, perdi sim um preconceito que tinha com pacotes turístico. Acho extremamente válido caso você não domine a língua local. Se você fala francês vai ter mais liberdade, já que é a língua não oficial do país. As oficiais são o árabe marroquino (darijá) e o berbere.

O Marrocos é totalmente diferente de tudo que eu já vi. A única similaridade que percebi em relação ao Brasil foi o mix de pobreza e riqueza, além da boa recepção. Sério, as vezes chegava a incomodar a forma como eles te tratam. É algo tão serviçal que chegou a me deixar desconfortável, parece que você é uma rainha do sabá.

História viva em cada esquina

  O carinho e cuidado que os nativos tem pela sua história é tocante. Enquanto fazia os tours pela cidade eu vi claramente nos olhos dos guias que eles tinham paixão e muito respeito por cada história contada, seja ela real ou ficcional. Esse respeito é o que mantem viva a cultura a cada esquina que se dobra e a cada escada que se sobe. Tradição, essa é a melhor palavra para descrever esse país tão inusitado. A tradição é a veia que faz correr toda a história e cultura do país.

Acho que se tem uma coisa que deveríamos aprender com eles é a respeitar a nossa história. Ela está viva e é muito forte, não só nos pontos turísticos, mas em toda parte da cidade. A arquitetura é de deixar o queixo caído. Até mesmo nos hotéis eles seguem a arquitetura tradicional e ostentam muito, muuuito mesmo. Se você quiser se sentir rico vá ao Marrocos Hahahahaha.

 

tangier hotel
Tânger hotel
hotel tânger

 

cadeira hotel marrocos
cadeira hotel marrocos

 

decoração hotel marrocos
decoração do hotel

Dinheiro

  O dirrã marroquino é desvalorizado em relação ao real  (agora está por volta 1,00 = 2,75 dirrãs). Por isso, apesar de você se sentir no maior luxo a viagem não pesa no bolso. Quase enlouqueci com a beleza e os valores baixíssimos das roupas. Mas, com certeza as pechinchas que consegui foram resultado de estar acompanhada de um guia local. Era nítido que eles cobrariam a mais se eu estivesse sozinha, mas eu creio que isso acontece na maioria dos lugares do mundo.  Acho que boa parte da boa experiência que tive  se deve ao suporte de um bom guia.

Mulheres sozinhas

Toda vez que falo que fui ao Marrocos me perguntam a mesma coisa, como os homens tratam as mulheres? Bom, eu não sei. Minha viagem foi turística e meu contato com os locais foi extremamente superficial. O que eu posso dizer é que eu não passei por nada diferente do que eu costumo sofrer aqui no Brasil. Os homens olham, falam gracinha e tem uns simpaticões que tá na cara que são maldosos. Mas lembre-se, eu sempre estava acompanhada de um guia local. Se for sozinha eu indico não dar muito papo para os homens na rua, por mais simpático que pareça.

Comida

Quanto a comida, achei boa e muito farta. Gostei de quase tudo que provei e o meu prato favorito foi a Kafta, sempre muito bem temperada. E se você curte vinho esse é um motivo para conhecer o Marrocos, eles tem vinhos ótimos e com preços baixos.

Agora vamos ver as fotos? 🙂

Eu aproveitei para fazer Portugal e Sevilha junto com essa viagem. De Sevilha (três dias no total) eu fui até Tarifa de ônibus e de lá fui até Tânger, no Marrocos, navegando. O ferry é confortável e a viagem é rapidíssima, menos de uma hora.


A Gruta de Hércules

  Minha primeira atividade em Tânger foi conhecer a Gruta de Hércules. A lenda diz que foi ali que Hércules descansou após ter separado a Europa da África. maravilhoso, né? Hahahahaha. O local é patrimônio histórico desde 1950.

A gruta recebe iluminação interna e de lá você tem essa vista incrível do mar. Achou o desenho parecido com algo? Lembra o mapa da África ao contrário, não?

Chefchaouen

Chefchaouen, também conhecida como a cidade azul, é um dos pontos turísticos mais famosos do Marrocos. Percorremos os 110 km de Tânger até Chefchaouen em menos de duas horas de carro.

O povoado foi fundada em 1471 e foi refúgio de inúmeros judeus europeus que fugiam da inquisição espanhola. Eles foram os responsáveis por pintar a cidade de azul, uma forma de se sentirem sempre próximos a Deus e do paraíso. Uma curiosidade é que o tom azul pintados nas paredes serve como repelente, segundo os locais.

A cidade é pequena, então o tour dura poucas horas. É uma ótima maneira de entender como funciona uma pequena cidade tradicional. Ali, existem vários lugares comunitários: sauna, banheiro, fornos, fontes de água potável, lavanderia etc. É muito interessante observar como as pessoas vivem de forma comunitária, uma forma bem diferente do individualismo do nosso mundo.

Ainda tenho muitas fotos do Marrocos para mostrar a vocês. Se Não quiser perder nada siga nossa página do Facebook e o meu Instagram, onde as novidades sempre chegam em primeiros lugar. Fazendo isso você me ajuda a manter o blog vivo e não custa nada 🙂
Please follow and like us:

Deixe uma resposta